Pranayama - A saúde através da respiração.

Atualizado: 19 de jan.

Pranayama(प्राणायाम), é a união de duas palavras do sânscrito; Prana(1)(प्राण) a energia Vital e Yama(यम) o controle; Pranayama pode ser compreendido como o controle da respiração.


chakras e o corpo sutil
O Corpo Sutil

Quando nos tornamos conscientes da interiorização da prática de yoga e não dispersamos a atenção causada pelo desconforto físico dos asanas (as posturas), surge o despertar da consciência da força vital.


A prática do Pranayama consiste em energizar o corpo e a mente. O Pranayama, não é simplesmente a respiração ritmada, o movimento mecânico respiratório, e sim a consciência do despertar do corpo sutil, o fluir do Prana(1) pelas Nadis(2), os movimentos dos Vayus(3), e o despertar dos Chakras.


É a forma mais utilizada pelos yogis para diminuir ou retirar qualquer tipo de bloqueio emocional presente (consciente ou não).


A prática de Pranayama juntamente com Dharana (concentração), estimula que a força vital do corpo bioenergético possa ser desenvolvida e conduzida. À medida que a respiração conduz a força vital a ascender pelo corpo, a atenção também sobe e vai produzindo experiências cada vez mais sutis.

Em seus processos mais elevados da prática o movimento de ascensão da energia prânica é conduzida desde a base da coluna até o alto da cabeça, mais precisamente, este caminho eleva-se de Muladhara passando por Swadhistana, Manipura, Anahata, Vishuddha, Ajna até Sahasrara chakra os centros psicoenergéticos (os chakras - चक्र)


Patañjali define; "O Pranayama é a interrupção dos movimentos de inalação e exalação, consegue-se depois de realizado os Asanas." (Y. S., II, 49.)



A Influencia da Respiração promovido pelas técnicas de Pranayama.


Normalmente a respiração de quem não pratica yoga é arrítmica; sua variação depende das circunstâncias internas e externas, ou seja por fatores de tensão psicomental, climáticas ou geográficas. Tal irregularidade produz uma oscilação na fluidez psíquica e consequentemente a instabilidade e a dispersão da atenção. Para o Yoga, trata-se de equilibrar os movimentos respiratórios através do controle do ritmo. A respiração deve ser automática e sútil.


O Pranayama, segundo pesquisas do Department of Research on Indian Medicine, da Patanjali Research Foundation, influência a mente com a normalização ou o controle da respiração, podendo-se conseguir certo grau de firmeza e serenidade mental, boa saúde e possivelmente longevidade, auxiliando a meditação e o desabrochar de uma consciência espiritual.


A fisiologia sútil da respiração


Parte-se do princípio de que para cada estado mental e emocional corresponde um tipo de respiração.


A mente consciente se manifesta no corpo por meio do sistema nervoso córtico-espinhal, Já a mente subconsciente, por meio do sistema nervoso autônomo parassimpático, regulando os batimentos cardíacos, movimentos peristálticos, etc. Está também relacionada com o relaxamento, a paz, a tranquilidade nos níveis mais profundos da consciência.


O sistema nervoso autônomo simpático cuida da disposição orgânica repentina para situações de alarme ou de defesa, sendo também responsável pelas emoções superficiais armazenadas no subconsciente, tais como medos, angústias, preocupações, que nos levam a situações de atenção.


A respiração une o consciente ao inconsciente, estando ligados diretamente aos estados emocionais. Por exemplo, durante a raiva, a respiração é superficial, utilizando somente a parte torácica - parte alta. No relaxamento, é aprofundada com movimentos suaves e abdominais - a parte baixa.

Por intermédio da respiração também se pode alcançar níveis elevados de consciência.


Fases da respiração

As Técnicas:


Todo movimento respiratório realizado na prática de Pranayamas é realizado apenas pelas narinas. Estes movimentos contém as seguintes etapas:


  • Puraka/Inalação: tem força ativa e atrativa.

  • Rechaka/Exalação: é de movimento passivo e expressivo.

  • Antar Kumbhaka/Retenção: com os pulmões cheios: Consciência de reter ou absorver. Tende a aquecer o corpo.

  • Bahya Kumbhaka/Retenção com os pulmões vazios: desperta a consciência de entrega. Tende a esfriar o corpo.

A inspiração nutre o corpo, na retenção com os pulmões cheios, o ar é "assimilado" pelo corpo, criando calor. Na exalação, o calor é dissipado.


O ritmo da respiração

  • Respirações rápidas (hiperventilações), tendem a aquecer.

  • Respirações lentas são calmantes e tendem a esfriar.


A polaridade das narinas

  • A narina direita esquenta e estimula a energia.

  • A narina esquerda resfria e é sedativa.

 

Técnicas de Pranayamas:


São muitas as técnicas de Pranayamas, aqui duas importantes e mais usuais nas aulas de yoga.



Ujjāyī Pranayama


Ujjāyī significa “vitorioso”. Este Pranayama consiste em fazer respirações profundas com uma leve contração da glote, diminuindo a passagem do ar e com isto fazendo um leve sussurro.


  • Sentado ou em pé, numa postura estável e confortável, feche os olhos, observe o ritmo respiratório e perceba o relaxamento e estabilidade do corpo.

  • Consciência na base da garganta. imagine o ar entrando e saindo não pelas narinas, mas pela garganta. Suavemente contraia a glote e perceba um leve sussurro que esta contração produz. Perceberá também uma leve contração no abdômen. A inalação e a exalação devem ser suaves e profundas.

  • Faça a respiração completa e escute o ar passando pela garganta.

Inicie fazendo no mínimo 10 ciclos e aos poucos estendê-la até 5 minutos.


O Ujjāyī é considerado um Pranayama relaxante. Tem um efeito importante de aquecimento do corpo.


Este Pranayama pode ser praticado em pé, sentado ou deitado. É muito usado nas práticas de Asanas em alguns estilos de Hatha Yoga e no Asthanga Vinyasa Yoga, tanto como uma forma de concentrar, como de aquecer o corpo, para interiorizar a atenção e de controlar a respiração, facilitando com que ela se sintonize aos movimentos do corpo durante a transição entre as posturas.


Associar ao mantra SoHam.

  • Inalar mentalize “So”.

  • Exalar, mentalize “Ham”.


Nādī śodhana prāṇāyāma


Nādī śodhana, ou respiração alternada, é um dos Pranayamas mais conhecidos e utilizados pelos praticantes de Yoga.


  • Sentado de modo que o corpo esteja estável, firme e confortável.

  • Faça algumas respirações completas, com consciência, de maneira sútil e suave. Perceba o aquietamento do corpo e da mente, aumentando a clareza e a atenção.

  • Então, antes de iniciar o Pranayama exale todo ar. Caso o ombro canse no decorrer da prática, você pode recolher o cotovelo e sustentá-lo com a mão esquerda.

  • Inale pela narina direita (no período do nascer do sol até o pôr do sol, fechando a narina esquerda se não faça pela esquerda a inalação.

  • Feche a narina direita e exale pela esquerda.

  • Inale pela mesma narina (esquerda), e quando estiver com os pulmões cheios, troque de narina, exalando pela direita.

Assim encerra-se um ciclo completo deste Pranayama. Faça entre 10 e 20 ciclos, lembrando que a troca de narina acontece quando os pulmões estão cheios e nunca quando eles estiverem vazios.


Se você for praticar e uma das narinas ou as duas estiverem obstruídas, primeiramente faça a limpeza.